Perfil Perfil
Francisco Louçã

Estado da noção

Francisco Louçã

Sarjeta

A exuberante manchete do “Sol” na semana passada (“O mistério da casa de férias do deputado João Galamba”) é um exemplo de escola sobre o que é o jornalismo de sarjeta. Conta o jornal que uma casa de férias alugada pela mãe de Galamba ainda não teria sido devolvida ao proprietário, o Estado, depois de a locatária ter morrido precocemente há semanas. Para apimentar a coisa, sugere que o deputado e a irmã estariam a passar alegremente férias nessa casa (“desde 2012”).

Não sei o que é mais lamentável na notícia, se o editor ter escolhido um escrito sem notícia para destacar na capa, se o jornal soprar que, perante a morte tão recente, a família devia priorizar este acerto de contas, se ignorar que o prazo para a comunicação ao proprietário ainda está longe de se ter esgotado ou que o viúvo tem direito à continuidade legal do arrendamento até ao fim do seu prazo legal. Talvez o mais sinistro seja mesmo a insensibilidade de fazer política com esta morte. Tudo isso é rasca. Bem lida a notícia, só nos podemos perguntar por que raio é que alguém quis escrever esta peça. Mas a falta de vergonha é uma condecoração neste jornalismo.

Segundo a Lei de Trump, não importa que seja mentira, o que importa é que os fanáticos se fanatizem com estas coisas, que as repitam incessantemente e que façam delas uma religião nas redes sociais

É, aliás, um sistema. Suponho que o entusiasmo do diretor pela escolha da manchete pode ter vagamente a justificação das audiências, pensando que possam ser puxadas pelo odor de escândalo, num jornal que arruinou meticulosamente a sua reputação e as suas vendas. Já seguiu a mesma estratégia no caso Casa Pia e, na verdade, em qualquer oportunidade de demonstrar que se pode fazer jornalismo desta estirpe. A regra é, quanto pior melhor.

Ora, o problema é que isto serve, não há dúvida. É aliás por isso que alguém arrisca na operação a reputação do jornal, logo forçado a desmentidos sucessivos, quando não os consegue evitar ou esconder. O que neste campeonato conta é o efeito, a multiplicação de posts e tweets e boatos e maledicência. Segundo a Lei de Trump, não importa que seja mentira, o que importa é que os fanáticos se fanatizem com estas coisas, que as repitam incessantemente e que façam delas uma religião nas redes sociais. Já o escrevi e repito com este caso: esta manchete do “Sol” é um exemplo de como a direita, que sabe que perde as próximas eleições, vai fazer política. Feia, porca e má. E mentira, antes de mais.