Perfil Perfil

PIB

Sabe qual é a região do país que gera mais riqueza por habitante? (Não, não é Lisboa)

A refinaria de Sines é um dos pilares da atividade económica no Alentejo Litoral <span class="creditofoto">Foto D.R.</span>

A refinaria de Sines é um dos pilares da atividade económica no Alentejo Litoral Foto D.R.

Com um Produto Interno Bruto por habitante de 27,3 mil euros em 2017, esta região ficou à frente da Área Metropolitana de Lisboa, confirmando uma ultrapassagem consumada em 2015

Texto Sónia M. Lourenço

Sempre que se pensa na região mais rica do país, a resposta está na ponta da língua: Lisboa. E, de facto, a Área Metropolitana de Lisboa tem o Produto Interno Bruto (PIB) mais elevado de todas as regiões portuguesas, com 69.977,65 milhões de euros, muito à frente da Área Metropolitana do Porto, com 30.737,843 milhões de euros. Os valores são de 2017, ainda provisórios, e foram divulgados esta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Mas, se a análise for feita em termos per capita, isto é, a riqueza gerada por habitante, os resultados são diferentes. Ao contrário do que possa pensar, o primeiro lugar entre as regiões portuguesas não é ocupado por Lisboa, que fica na segunda posição, mas sim pelo Alentejo Litoral, com um PIB por habitante (rácio entre o PIB regional a preços correntes e a população residente) de 27,3 mil euros em 2017.

Surpreendido? Pois então saiba que esta região alentejana, que abrange os concelhos de Alcácer do Sal, Grândola, Odemira, Santiago do Cacém e Sines, ultrapassou a Área Metropolitana de Lisboa neste indicador em 2015 e, desde então, ocupou sempre o primeiro lugar do ranking.

Uma evolução impulsionada pela criação de riqueza na região. Em 2015, o crescimento do PIB do Alentejo Litoral atingiu 25,1%, enquanto em Lisboa o aumento ficou pelos 2,6%. No ano seguinte, o aumento do PIB da região da capital foi superior (3,3% contra -0,9%), mas, em 2017, o Alentejo Litoral voltou a bater Lisboa, com um incremento de 6% contra 4,5%.

A explicação para estes números passa, incontornavelmente, pela refinaria e pelo Porto de Sines. Aliás, em 2017 o PIB do Alentejo (no seu conjunto) cresceu 5,1% em termos nominais e 3,2% em termos reais, sendo a segunda região do país com crescimento mais expressivo (ao nível das NUTSII), logo atrás do Algarve. Uma evolução explicada pelo “desempenho da indústria e energia, em especial pelo ramo da indústria de fabricação de coque e de produtos petrolíferos, atividade com especial importância nesta região”, destaca o INE.

No extremo oposto da tabela da riqueza por habitante ficam várias regiões do Norte do país. Entre as cinco regiões com um PIB por habitante mais baixo em 2017, quatro são nortenhas: Tâmega e Sousa; Alto Tâmega; Douro; e Terras de Trás-os-Montes. A quinta é do centro do país: Beiras e Serra da Estrela.