Perfil Perfil

BRASIL | LAVA JATO

Temer foi preso. “Uma barbaridade”, diz o próprio. “É um bandido”, explicam os opositores

A polícia federal rodeou esta quinta-feira de manhã o carro de Michel Temer nas ruas de São Paulo minutos após ter saído de casa e deu ordem de prisão ao ex-presidente do Brasil. Um pouco antes, Temer tinha estranhado porque havia “tantos jornalistas” à porta de casa e ligou a um assessor, que o informou do que estava prestes a acontecer

A polícia federal rodeou esta quinta-feira de manhã o carro de Michel Temer nas ruas de São Paulo minutos após ter saído de casa e deu ordem de prisão ao ex-presidente do Brasil. Um pouco antes, Temer tinha estranhado porque havia “tantos jornalistas” à porta de casa e ligou a um assessor, que o informou do que estava prestes a acontecer

Texto Sofia Perpétua, no Rio de Janeiro

Temer responde a 10 inquéritos no Rio de Janeiro, Paraná e no distrito federal, sendo que uma das acusações que enfrenta é a de ser o chefe de uma organização criminosa que atua há 40 anos no Rio de Janeiro. A prisão teve como base a delação de José Antunes Sobrinho, dono da Engevix, que disse ter pago 1 milhão de reais (€230 mil) em subornos. As acusações envolvem corrupção, peculato e lavagem de dinheiro e enquadra-se nas operações Radioatividade, Pripyate e Irmandade da Lava Jato.

Praticamente todo o grupo político de Michel Temer (MDB) já está preso ou passou pela prisão, salvo raríssimas exceções. Michel Temer foi vice interino de Dilma Rousseff nos dois mandatos da petista e apoiou o processo de impeachment contra a ex-presidente do Brasil, tendo depois ele mesmo assumido a presidência. Pelo Brasil é comum ainda encontrar bastantes paredes grafitadas com “fora Temer” na sequência dos protestos populares após o processo de impeachment que afastou Dilma Rousseff da presidência em 2016. A prisão preventiva não tem data para terminar, Temer é também acusado de obstruir investigações e destruir provas.

Estas são algumas das reações à prisão do ex-presidente do Brasil, que perdeu o foro privilegiado no dia 1 de janeiro deste ano após o presidente Jair Bolsonaro ter assumido a presidência:

“Uma barbaridade”
Michael Temer

“Maia brigou com Moro. Que é amigo do Bretas. Que mandou prender Temer e Moreira Franco. Que é sogro do Maia. E a Lava Jato no Rio está com quem no Supremo Tribunal Federal? Gilmar. Que não gosta do Moro nem do Bretas. O dia não vai ser monótono”
Pedro Abramovay, diretor da Open Society Foundations para a América Latina e Caribe na sua conta no Twitter. A referência vem de Rodrigo Maia, presidente da câmara dos deputados, ter feito quarta-feira duras críticas ao ministro da justiça Sérgio Moro (referindo-se a ele como “funcionário do presidente”. Marcelo Bretas é o juiz da Lava Jato no Rio de Janeiro que expediu os mandados de prisão do ex-presidente Michel Temer e ex-ministro e ex-governador Moreira Franco (que é o quinto ex-governador do Rio de Janeiro a ser preso, todos os ex-governadores eleitos do Rio de Janeiro vivos já foram presos, todos são ou foram filiados no MDB, partido de Michel Temer). Gilmar Mendes é ministro do Supremo Tribunal Federal. No dia da prisão de Michel Temer, Rodrigo Maia escolheu os deputados federais da oposição Marcelo Freixo (PSOL-RJ) e Paulo Teixeira (PT-SP) para analisar o pacote anticrime do ministro da Justiça, Sérgio Moro: ambos os deputados federais opõem-se veemente ao governo Bolsonaro e ao pacote anticrime apresentado pelo mesmo. Durante a sua presidência, Michel Temer chegou a condecorar o atual ministro da justiça, Sérgio Moro

“Finalmente a justiça começa a ser feita. Por duas vezes tentámos que Michel Temer respondesse por seus delitos durante o exercício da Presidência da República, mas ele usou seu cargo para impedir que as denúncias avançassem. Agora não há mais como escapar. Felizmente, agora ele começa a responder perante a Justiça. Trata-se do chefe de uma quadrilha cujos comparsas já foram presos”
Alessandro Molon, deputado federal (PSB-RJ)

“Michel Temer foi preso hoje. Tem que manter isso, viu?”
Luiza Erundina, deputada federal PSOL, em referência às escutas vazadas por Joesley Batista da JBS no âmbito da Operação Lava Jato em que Temer deu aval para comprar o silêncio de Eduardo Cunha, ex-presidente da câmara dos deputados que liderou o processo de impeachment e que está hoje preso. “Tem que manter isso, viu?” Foi considerada pelo Jornal Globo uma das frases mais marcantes de 2017

“O MDB lamenta a postura açodada da Justiça à revelia do andamento de um inquérito em que foi demonstrado que não há irregularidade por parte do ex-presidente da República Michel Temer e do ex-ministro Moreira Franco. O MDB espera que a Justiça restabeleça as liberdades individuais, a presunção de inocência, o direito ao contraditório e o direito de defesa”
Nota divulgada pelo MDB, partido do ex-presidente Michel Temer

“Lamentavelmente, mais uma manifestação de Exibicionismo do Poder Judiciário. Se trata de mais um caso de Exibicionismo do Judiciário”
Ex-ministro Carlos Marun em declaração à Rádio Gaúcha

“É muito ruim para o país ter um ex-presidente preso. A realidade é que fica todo mundo naquela situação igual cachorro em canoa, querendo se equilibrar”
Hamilton Mourão, vice-Presidente da República

“Michel Temer e Moreira Franco são presos pela Lava Jato do RJ. Para quem achou que a lava jato tinha morrido”
Alexandre Frota, deputado federal (PSL-SP)

“Temer é um bandido que já deveria estar preso há tempos. Existem provas contundentes contra ele, não meras ‘convicções’. Esperamos apenas que sua prisão não sirva para fortalecer xerifes de toga que se consideram acima da lei, nem para desviar da crise do desgoverno de Bolsonaro”
Guilherme Boulos, ex-candidato à presidência da república pelo PSOL

“Temer preso por propina [suborno] na construção de Angra aumenta o alerta sobre a segurança da central nuclear. A propina pode ter levado a relaxamento na segurança. Um Brumadinho radioativo seria catastrófico. Lembrem de Chernobyl e Fukushima entre São Paulo e Rio de Janeiro. A prisão do Temer mostra que a PGR, a PF e a Justiça não têm escolhido partidos para perseguir e a corrupção não é monopólio de alguns”
Cristovam Buarque, deputado federal (PPS-DF)

“A política é para se pensar o Brasil. Isso é uma resposta que a sociedade já havia dado, que não aceita esse comportamento”
Marcelo Calero (PPS-RJ), que deixou o Governo Temer após denunciar irregularidades do também ministro Geddel Vieira Lima

“Não faltam motivos para que Temer seja julgado, condenado e preso pela corrupção em seu governo. Esse processo, inclusive, é tardio. O povo comemora tanto por causa dos esquemas na gestão do ex-presidente quanto pela destruição dos direitos sociais. Entretanto, vivemos uma crise democrática profunda e precisamos tomar medidas estruturais que nos permitam enfrentar as raízes da corrupção”
Marcelo Freixo, deputado federal (PSOL-RJ)

“Isso é uma vingança do Moro, que bateu boca com Maia – mandou prender seu sogro”
Célio Moura, deputado federal (PT-TO)

“Todos indícios de envolvimento de Temer com ilegalidades, malas de dinheiro, gravações no porão mostram que ele não deveria ter ocupado a Presidência. Desejo que as investigações continuem e sejam aprofundadas”
Henrique Fontana, deputado federal (PT-RS)