Perfil Perfil

Saúde

Privados 'rompem' acordo com a ADSE

<span class="creditofoto">Foto d.r.</span>

Foto d.r.

Os grupos privados estão a suspender as convenções com o subsistema de saúde dos funcionários públicos. Tratamentos já marcados serão faturados ao abrigo das regras atuais mas, segundo apurou o Expresso, a partir de abril os restantes utentes terão de pagar a 100% as consultas ou cirurgias e pedir o reembolso à ADSE

Texto JOÃO VIEIRA PEREIRA, VERA LÚCIA ARREIGOSO E ANA SOFIA SANTOS

A José de Mello Saúde e a Luz Saúde são dois dos grupos privados que vão suspender a convenção com o subsistema de saúde dos funcionários públicos, a ADSE. A decisão deverá ocorrer a partir de abril, apurou o Expresso junto de fontes do sector.

Todos os tratamentos já em curso, bem como consultas agendadas ou cirurgias que estão marcadas serão cobradas tendo em conta os acordos celebrados no passado com a ADSE. Ainda assim, a partir de abril todos os cuidados de saúde prestados pelas unidades geridas pela Luz Saúde e pela José de Mello Saúde terão de ser pagos a 100% pelos beneficiários da ADSE, que depois podem pedir o respetivo reembolso.

O Expresso apurou que o Grupo Hospitalar Particular do Algarve e o Grupo Trofa Saúde deverão fazer o mesmo.

Um alto responsável de um dos grupos privados disse ao Expresso que "infelizmente não resta outra alternativa face à intransigência da ADSE".

Esta semana, a José de Mello Saúde também ‘rompeu’ com o Instituto de Ação Social das Forças Armadas (IASFA) para a prestação de cuidados de saúde aos beneficiários da ADM (Assistência na Doença aos Militares, que abrange militares no ativo e na reserva e os seus familiares), avançou esta quarta-feira, o jornal "Público". Trata-se de uma medida com efeitos a partir de 1 de abril e que afeta cerca de 130 mil beneficiários.

Também todos os atos de saúde já marcados ficam de fora desta decisão.

A gota de água terá sido a exigência, no final do ano passado, por parte da ADSE da devolução de 38 milhões de euros de despesas que os privados terão faturado a mais. À época, o presidente da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada, Óscar Gaspar, revelou que os associados consideraram uma ’’afronta’’ os 38 milhões de euros exigidos pela ADSE a hospitais e clínicos privados por excessos de faturação, em 2015 e 2016.

À época, em setembro, Óscar Gaspar falou na hipótese de os privados terminarem com as convenções celebradas com a ADSE. A ameaça de boicote seria para surtir efeito a partir de outubro mas acabou por não se concretizar. O diferendo levou o então ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, a intervir, chamando as partes ao gabinete para pedir o reinício das negociações. Falhou.

A, nova, decisão de ‘corte’ com a ADSE estará a ser tomada individualmente por cada grupo privado.