Perfil Perfil

Rui Rosinha

Fundo Social vai compensar vitaliciamente bombeiro de Pedrógão que ia ficar com pensão de €267

Foto Ana Baião

Foto Ana Baião

Rui Rosinha vai ter pensão de invalidez compensada pelo Fundo Social do Bombeiro, garante Jaime Marta Soares

Texto Carla Tomás e Christiana Martins Fotos Ana Baião

Apanhado pelo fogo de Pedrógão Grande a 17 de junho de 2017, Rui Rosinha ficou desfigurado, esteve em coma dois meses e meio e mantém-se de baixa médica com uma incapacidade de 85%. Por agora é a Segurança Social e o seguro que lhe mantêm o sustento, mas no futuro deverá ser a pensão que vier a auferir (e o que a complementar) que garantirá a sua sobrevivência.

O presidente da Liga Portuguesa de Bombeiros, Jaime Marta Soares, garante ao Expresso que o Fundo de Proteção Social do Bombeiro “vai garantir a diferença” entre o valor da pensão que vier a ser atribuída ao bombeiro de 40 anos e o seu antigo salário.

Uma simulação feita pela Câmara Municipal de Castanheira de Pêra, tendo em conta uma incapacidade por invalidez de 85%, atribui a Rui Rosinha uma pensão de invalidez de €267. São perto de €500 euros abaixo do seu salário mensal de funcionário público antes do acidente (cerca de €762). Durante 18 meses − prolongáveis por 36, se a junta médica assim decidir − o salário está coberto, descontado o subsídio de alimentação. Depois, o ex-fiscal camarário e bombeiro terá de optar se pede uma licença sem vencimento ou a aposentação por invalidez.

Esteve dois meses e meio em coma e foi submetido a 14 intervenções cirúrgicas

Esteve dois meses e meio em coma e foi submetido a 14 intervenções cirúrgicas

Aos 40 anos e com o futuro em suspenso, Rui Rosinha quer “mostrar a realidade destas pensões por invalidez” e chamar a atenção para casos como o seu. Acredita que “de uma forma ou de outra” o seu caso será resolvido.

Duas deputadas do PSD, Teresa Morais e Margarida Balseiro Lopes, interpelaram o ministro da Segurança Social sobre as alternativas possíveis. E, por sua vez, o Governo pressionou a Liga de Bombeiros Portugueses para acionar o Fundo de Proteção Social do Bombeiro, que recebe cerca de meio milhões de euros do Estado anualmente.