Perfil Perfil

Estados Unidos

“As grades não são nada comparadas com a separação dos pais.” Mesmo dando calmantes às crianças

Foto reuters

Foto reuters

A badalada “tolerância zero” do Presidente dos EUA, Donald Trump, em relação aos migrantes sem documentos conheceu nas últimas horas avanços e recuos. Face à pressão política e humanitária, Trump pareceu recuar e assinou um decreto a proibir que as crianças fossem afastadas dos pais para, pouco depois, assegurar que continuará a agir com mão dura. Mais preocupante ainda parece ser a administração de enormes quantidades de psicotrópicos a crianças, entretanto revelada. “O sofrimento e o desamparo têm efeitos para toda a vida”, diz um dos psicólogos ouvidos pelo Expresso

Texto Hélder Gomes

Nos últimos dias, circulou uma gravação áudio de crianças da América Central, separadas dos pais, e mantidas num centro de detenção na fronteira entre o México e os EUA. “Há pessoas que não a conseguem ouvir porque o choro das crianças é excruciante. Esta nossa reação dá-nos uma curta medida da angústia e do sofrimento em que estas crianças se encontram”, avalia a psicóloga e psicoterapeuta Ana Moniz.

“A probabilidade de desenvolverem uma depressão reativa, perturbações de ansiedade e de personalidade e problemas comportamentais é muito alta”, continua, acrescentando que “algumas já podem estar a manifestar esses sintomas, enquanto outras só irão manifestá-los mais tarde”.

Ao contrário dos adultos, que têm “a capacidade intelectual de saber o que está a acontecer”, estas crianças “só comunicam entre si, com outras crianças também desesperadas e que também não sabem o que se passa”, contrapõe Tânia Dinis, também psicóloga e psicoterapeuta. Perante uma situação que não entendem, começam a revelar sinais de profunda insegurança.

Para tentarem remediar a situação, os adultos que se ocupam delas nos centros poderão pintar um cenário de esperança, que acaba por não se concretizar, “mentindo-lhes”, e as crianças rapidamente percebem e começam a desconfiar. “Quanto mais precocemente se manifestar essa desconfiança, maior será a dificuldade de estabelecer relações futuras – amorosas, no trabalho, etc. – porque sentirão sempre que qualquer pessoa lhes pode puxar o tapete a qualquer momento”, alerta.

Foto Reuters

Foto Reuters

Uma criança desamparada até pode aproximar-se de um adulto, em busca de conforto, de uma ligação segura. “Pode até agarrar-se às pernas de um adulto porque só quer que qualquer pessoa cuide dela, mas isso não é afeto genuíno”, sublinha Tânia Dinis. Do ponto de vista emocional, ligar-se ou não se ligar são cenários semelhantes, porque “não há segurança no vínculo”.

Por isso, a especialista defende que uma tentativa de aproximação é “um desastre tão grande como a situação em que a criança se encolhe num canto e não quer contacto com ninguém”. Por outro lado, as crianças detidas estão “entregues a adultos sem capacidade para lidar com elas e, mesmo que tivessem essa capacidade, não teriam mãos para atender a tantos casos”, refere.

“Poderia ser traumático para qualquer pessoa e em qualquer idade”

“O que se está a passar poderia ser traumático para qualquer pessoa e em qualquer idade”, ressalva Ana Moniz. “Mas estamos a falar de crianças de um a cinco anos, idades em que a ligação às figuras de vinculação é crucial para desenvolverem uma noção de confiança em si próprias, nos outros e no mundo. É uma necessidade básica”, defende. E acrescenta: “As grades não são nada comparadas com a separação dos pais. O sofrimento e o desamparo têm efeitos para toda a vida”. A diretora executiva da UNICEF Portugal, Beatriz Imperatori, concorda que se trata de uma “situação deveras traumática” e que, do ponto de vista clínico, “essas crianças poderão ter necessidade de acompanhamento”.

Beatriz Imperatori qualifica a situação atual como “um óbvio exercício de violência”, que põe em causa “o superior interesse da criança nos princípios fundamentais da segurança e do bem-estar”. De qualquer modo, a secção portuguesa da agência das Nações Unidas para a proteção das crianças mostra-se “satisfeita com a alteração da política”, anunciada esta quarta-feira por Donald Trump, e sobretudo com as “consequências no terreno”, ou seja, “não haver mais crianças desacompanhadas”, que passam agora a ser detidas juntamente com os pais.

Foto reuters

Foto reuters

No entanto, pouco depois de ceder à pressão interna e internacional e assinar uma ordem executiva para acabar com a separação de famílias na fronteira, o Presidente dos EUA assegurou que a política de “tolerância zero” em relação aos migrantes era para continuar. Trump garantiu então que os Estados Unidos iam mandar os migrantes de volta, numa formulação agressiva e difícil de traduzir de uma forma que lhe faça justiça: “we’re sending them the hell back”.

Por outro lado, de acordo com a própria administração americana, a tal ordem executiva não será aplicada às mais de 2300 crianças que já foram separadas dos pais. A responsável da UNICEF defende que é crucial “resolver a situação dessas crianças já separadas”, sublinhando que há uma “óbvia urgência na reunificação dessas famílias”. No processo de relativa normalização que venha a acontecer, o pediatra Hugo Faria defende que “é fundamental explicar à criança o que se passou”. Quando “a rede de suporte se rompe, é necessário ajudar a restabelecer os laços”, devolvendo às crianças “o conforto e a segurança” perdidos, acrescenta.

NOVE COMPRIMIDOS DE MANHÃ E SETE À NOITE

Na quarta-feira, o jornal “Huffington Post” revelou, citando documentos judiciais, que funcionários dos centros de reinstalação de refugiados estão a administrar psicotrópicos a crianças sem o consentimento dos pais. Num dos casos denunciado, uma criança tomou nove comprimidos de manhã e outros sete à noite, uma prática que, segundo a documentação médica e judicial a que o jornal teve acesso, é generalizada.

Hugo Faria mostra-se “profundamente chocado”, dizendo que isso “revela a intensidade do desespero e da angústia” por que passam as crianças quando é necessário administrar “uma quantidade tão grande de medicamentos”. “O fármaco pode ajudar, mas deve ser o último recurso. Não é desejável que a criança necessite dele”, acrescenta. E, tendo em conta a quantidade de medicamentos administrada, deixa a pergunta: “qual será a intensidade de um stress pós-traumático?”. “A confirmar-se este caso e existindo uma denúncia sólida, acreditamos que os mecanismos de supervisão atuarão da forma que for necessária”, afirma, por sua vez, Beatriz Imperatori.

A psicóloga e psicoterapeuta Tânia Dinis levanta um problema raramente considerado: o trauma dos próprios agentes nos centros de detenção. “A conformidade e a obediência de quem está no terreno poderão levá-los a considerar que a responsabilidade não é sua, que estão apenas a cumprir a lei. Mas quando um dia lhes passar o nevoeiro, que os faz acreditar que os imigrantes são más pessoas e que os culpados são os pais, isso poderá persegui-los para o resto da vida”, explica.

O stress, a irritabilidade, o consumo abusivo de álcool e drogas e até a violência doméstica são alguns dos cenários possíveis, refere, acrescentando a possibilidade de virem a ter “pesadelos com as caras das crianças”. Quanto às vítimas mais imediatas, Ana Moniz diz que “no limite, estas crianças vão sobreviver, é provável que sobrevivam”. “Mas é uma tragédia como sociedade que estejamos ao nível da sobrevivência”, conclui.