Perfil Perfil
Pedro Santos Guerreiro

Opinião

Pedro Santos Guerreiro

O ministro que primeiro caiu e depois saiu

Contactos do autor

Azeredo Lopes demitiu-se. Pronto. E agora?

Demorou uma semana em lume pouco brando. Depois de o Expresso ter revelado que um investigador da PJM garantira ao juiz de instrução do caso Tancos que Azeredo Lopes soubera da farsa da recuperação de armas furtadas, o ministro continuou a sê-lo apenas mais alguns dias. Demitiu-se esta sexta-feira, entre a posse da nova PGR e o fecho do Orçamento do Estado. Vira o ministro, não vira a página.

O ministro sai porque não aguentou a pressão pública e interna. Não saiu por pressão política, que não foi demasiado intensa: o PSD mandou uns tiros para as pernas mas não para o coração, o CDS não tem munições pesadas. Não saiu por assunção de culpa, porque na carta em que explica as razões de saída reitera de nada ter tido conhecimento sobre a farsa de Tancos. Não saiu por falta de apoio do primeiro-ministro, que o defendeu ainda que sem pôr as mãos o fogo. Não saiu por razões de consciência, ou tinha-o feito mais cedo. Saiu porque a pressão pública se intensificou. Saiu por pressão silenciosa dos militares que tutela, que nunca gostaram deste civil. E saiu sem sabermos se Marcelo Rebelo de Sousa agiu.

Foto Marcos Borga

Foto Marcos Borga

Saiu na altura errada. Azeredo teve sempre um mandato azarado, nunca impôs a sua autoridade entre as Forças Armadas e caiu na armadilha da neutralidade, perante a sucessão de casos e de crises de que o furto das armas de Tancos foi o mais grave, degenerando ademais numa segunda crise, a do encobrimento na recuperação das armas. O ministro quis ser indiferente, inodoro e incolor nas crises, para não ser enrolado nas polémicas. Não era possível. Não foi possível.

A autoridade do Estado está de rastos. Houve um assalto a Tancos que desacreditou as Forças Armadas, a Polícia Judiciária entrou em rutura com a PJ Militar, a PJ Militar envolveu-se numa inacreditável farsa, membros da GNR colaboraram nela, há oficiais a mentir, a conspirar, a manobrar. E se o ministro está inocente no processo, não está inocente na forma como deixou, pela passividade, ver um Ministério perder a autoridade e a credibilidade.

Politicamente, o caso não morre aqui, porque só a inocência provada de Azeredo Lopes garantirá que a polémica que o matou não sobe o elevador do Governo. Depois da denúncia de Vasco Brazão, ainda nenhuma outra prova surgiu que incriminasse o ministro. Mas o que está em causa é tão grave que não é por se ter demitido que Azeredo Lopes desaparece do problema. E o problema chama-se investigação ao caso Tancos. Que não pode parar aqui, por uma questão de justiça, por uma questão de julgamento de suspeitos, e por uma questão política.